Análise de Mercado

01 de Julho de 2022
Visão Geral

Como previsto a semana foi agitada, não de negócios, mas de entendimentos e acertos quanto ao novo modelo de precificação retirando o PIS e a COFINS. Aqueles volumes que não foram faturados a solução foi bem simples, alterar somente os pedidos retirando R$ 130,90/m³, porém em sua maioria dos casos os pedidos tiveram que ser divididos em dois, com volumes já faturados/carregados e com todos os tributos, e com volumes ainda a faturar/carregar, retirando os impostos.  Outro ponto foi o compasso de espera para definição das novas alíquotas de ICMS a serem vigentes por Estado. Os Estados de São Paulo (manutenção em 13,30%) e Goiás (queda de 25% para 17%), foram os primeiros a definir os percentuais de ICMS sobre os combustíveis, especial no etanol hidratado.  Porém na sexta-feira (01) outros oito Estados já haviam definido também pela redução.  Restavam 16 Estados mais o Distrito Federal se posicionar, o que deverá ocorrer em breve.  Assim, os estados que já definiram por alterações foram: Espírito Santo, Goiás, Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Rondônia, Roraima, Santa Catarina e São Paulo. Com isso as Distribuidoras em sua maioria alongaram seus estoques, até mesmo cortando vendas, preferindo não fazer movimento longo de compra nos produtores durante esta última semana, com receio de ficar com produto com preço mais alto e por consequência menor liquidez.  Tem também a expectativa de que o preço do etanol hidratado sofra mais quedas ao perder paridade com a gasolina, no momento que as mudanças de ICMS do combustível fóssil forem repassadas ao consumidor. 

.