Energia: sol e vento substituem a água

Faltando 21 minutos para a meia noite de segunda-feira, 12, a geração de energia eólica no Nordeste - graças às rajadas de vento que no litoral nordestino registraram 44 km/h naquela hora - bateu um recorde, chegando à marca de 9.240 MW, ou 4,47% a mais do que a do recorde anterior, assinalado às 9 horas do dia 18 de novembro do ano passado.

 

 

 

Fernando Ximenes, dono da cearense GramEollic, empresa especializada em energia, diz que o novo recorde, com fator de potência de 73,27%, abasteceu 94,5 da demanda do Nordeste brasileiro que naquele momento registrava 9.800 MW/h de consumo de energia.

 

 

Estas informações confirmam a boa tendência de que no curto prazo - cinco anos, no máximo - as fontes renováveis de energia elétrica (solar e eólica) substituirão as hidrelétricas da Chesf, cuja água servirá para o abastecimento humano e animal e para a produção de alimentos via agricultura irrigada. Outra boa notícia é a da rápida e crescente redução dos custos de geração de energia solar, cujos painéis fotovoltaicos começam a ser produzidos no Brasil.

 

Em tempo:

 

 Os ministérios do Desenvolvimento Regional e de Minas e Energia deram-se as mãos e prometem investir juntos na promoção de leilões de energia solar para a instalação de usinas ao longo das margens dos canais Leste e Norte do Projeto S. Francisco de Integração de Bacias. Tudo, no mais tardar, até meados do próximo ano. 

Share on Facebook
Please reload

Posts Em Destaque

Preço do etanol despenca no país após greve de caminhoneiros

July 17, 2018

1/2
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo