RAIZEN SE VOLTA AO ALGORITMO PARA PREVER PREÇOS DE AÇÚCAR

12-Feb-2019

 

O maior produtor de açúcar do mundo está agora perguntando aos algoritmos o que fazer.

 

A Raízen, sediada em São Paulo, joint venture entre a Shell e a Cosan, contratou a QuantumBlack, uma empresa de algoritmos controlada pela Mckinsey, para desenvolver um algoritmo capaz de prever os movimentos dos preços das commodities, segundo pessoas com conhecimento do assunto.

 

O algoritmo deve estar pronto para ser usado pela empresa em cerca de um ano e também incorporará dados disponíveis de vários anos de sua área de cana-de-açúcar de 860.000 hectares (2,1 milhões de acres), incluindo históricos de produtividade, para prever mudanças na oferta, disse fonte consultada pela Bloomberg.

 

A decisão foi tomada porque a empresa acredita ter potencial para melhorar sua performance na precificação de açúcar, dada a sua escala, disse uma pessoa. A Raízen planeja usar os modelos de inteligência artificial como parte de sua estratégia de gerenciamento de risco e não agir como um trader de alta velocidade ou algorítmico, disseram as pessoas. A empresa de algoritmos QuantumBlack fornecerá estimativas de preços em vários cenários e também os fundamentos por trás deles, disse uma pessoa.

 

A QuantumBlack, sediada em Londres, tem entre seus clientes empresas gigantes que usam big data e análises avançadas para melhorar o desempenho, inclusive nas áreas de Fórmula 1, mineração, infraestrutura e saúde.

 

A Raízen preferiu não comentar o assunto, enquanto a QuantumBlack não respondeu imediatamente a pedidos de comentário.

Algoritmos têm sido amplamente utilizados por fundos para operar em mercados futuros agrícolas. Nos últimos anos, consultorias e tradings têm procurado melhorar suas ferramentas de precificação com o uso de alguns tipos de algoritmos, mas esta é a primeira vez que um produtor gigante lidera um projeto por conta própria.

 

A Raízen opera 26 usinas de cana-de-açúcar no Brasil, onde produz cerca de 4,3 milhões de toneladas de açúcar por ano, respondendo por cerca de 15% das exportações do país. A empresa tem uma joint venture de açúcar bruto chamada RaW, com a Wilmar, que tem sede em Cingapura, para negociar o adoçante de origem brasileira. O contrato com a QuantumBlack não inclui a RaW, disse uma fonte.

 

Por Fabiana Batista

 

 

 

 

Fonte: Bloomberg - retirado do Portal Uol Economia

Share on Facebook
Please reload

Posts Em Destaque

Preço do etanol despenca no país após greve de caminhoneiros

July 17, 2018

1/2
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo