Polícia Civil e MP-RJ realizam operação contra quadrilha de furto de combustível que atuava no eixo RJ-SP

2-Aug-2018

Equipamento usado para perfurar dutos encontrado na Operação Água Negra (Foto Divulgação/Polícia Civil)

 

Até as 7h, três pessoas foram presas. Foram emitidos três mandados de prisão em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, e dois em Itaquaquecetuba, no interior de São Paulo. Corporações também fazem buscas e apreensõe.

 

Polícia Civil e o Ministério Público do Rio de Janeiro, com apoio dos mesmos órgãos em São Paulo, realizam operação nesta quinta-feira (2) para cumprir cinco mandados de prisão e 21 de busca e apreensão. Os alvos da Operação Água Negra são suspeitos de integrar quadrilha responsável por furto de combustível na Região Metropolitana do Rio para revender o produto no interior de São Paulo.

 

Até as 6h45, haviam sido feitas uma prisão em São Paulo e duas no Rio de Janeiro. Em Itaquaquecetuba, na Grande São Paulo, foi preso Claudionor Inácio da Silva, considerado o líder do esquema criminoso.

 

“A Petrobras estima prejuízo de pelo menos R$ 200 mil de apenas um furto”, afirmou a promotora Simone Sibilio, do Grupo de Atuação Especial e Combate ao Crime Organizado (Gaeco/MP-RJ).

 

De acordo com as investigações, o grupo retira combustível, petróleo e óleo diesel de dutos da Transpetro em municípios como Duque de Caxias, Nova Iguaçu e Magé, na Baixada Fluminense, assim como Silva Jardim e Pinheiral, no Sul Fluminense.

 

Os mandados de busca e apreensão são para endereços residenciais e de empresas tanto em Duque de Caxias e Magé, na Baixada Fluminense, quanto em Itaquaquecetuba.

 

No município paulista, segundo a Delegacia de Serviços Delegados (DDSD) da Polícia Civil do Rio, funciona o núcleo financeiro da quadrilha, além de local em que o combustível é revendido ou refinado (no caso do petróleo cru) para posterior revenda.

 

"As investigações apontam que essas organizações criminosas auferem um lucro muito grande com esse tipo de atividade, e ela vem crescendo no Rio de Janeiro. E as investigações mostram que esses derivados de petróleo mostram uma forte atuação no Estado de São Paulo", explicou o delegado Ricardo Barboza.

 

O grupo que atua em São Paulo, segundo ele, usa de notas fiscais frias e transporte clandestino para conseguir fazer o óleo diesel e o petróleo cru circularem entre os dois estados.

 

"A organização criminosa tem empresas que têm por foco dar uma veste de legalidade, tanto ao transporte quanto à venda desse produto, por vezes simulando o transporte como se fosse óleo queimado, ou óleo destinado à reciclagem", apontou Barboza.

 

Entre março de 2017 e julho de 2018, o Ministério Público denunciou 51 pessoas, pediu a prisão de 44 pessoas e a emissão de 91 mandados de busca e apreensão para diferentes grupos envolvidos. Já houve grupos presos na Baixada e no interior de São Paulo, como nas operações Ouro Negro I e II.

 

Alvos de prisão no eixo RJ-SP
No Rio de Janeiro, há mandado de prisão para três pessoas: Bruno de Paiva Santos, Jorge Felipe da Silva Paes e Manoel de Andrade Maia. De acordo com as investigações, eles são responsáveis pela atividade de operação das máquinas para retirar o combustível dos dutos da Transpetro, especialmente na área próxima à Refinaria de Duque de Caxias (Reduc).

 

Os três estavam em um carro em que foram encontradas bombas hidráulicas com resquícios de petróleo dentro. A Polícia Rodoviária Federal, então, fez uma busca mais detalhada no veículo e encontrou R$ 48 mil no dia 8 de agosto de 2017. Bruno, Jorge e Manoel afirmaram que o dinheiro teria sido conseguido graças a uma compra de terreno. A compra, porém, só foi realizada um dia após a apreensão do veículo, e os três não foram presos.

 

"Eles estão sendo procurados por obstrução de justiça porque simularam uma origem diversa para o dinheiro, através da compra e venda de um imóvel", explicou o delegado.

 

Everton Nascimento Silva, paulista de Itaquaquecetuba, foi identificado como responsável pela compra do terreno. Porém, segundo Polícia e Ministério Público, ele é braço direito do homem responsável pelo esquema na cidade paulista, Claudionor Inácio da Silva. Ele é o principal suspeito de comandar o esquema de refino o petróleo cru que vem do Rio de Janeiro, para depois revendê-lo em São Paulo.

 

Os cinco mandados de prisão são por furto, organização criminosa e obstrução de justiça.

 

"Estas organizações criminosas são bem estruturadas e articuladas, de forma que as informações e a atuação são compartimentalizadas, o que torna a investigação ainda mais difícil. Somente com a atuação integrada é vem sendo possível obter informações de forma a conseguir enxergar o todo", explica o promotor Fábio Corrêa, do Grupo de Atuação Especializada e Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público do Rio.

 

Como funcionava o esquema

Os dutos da Transpetro são perfurados na Baixada Fluminense, em locais ermos e com pouca ou nenhuma segurança. Um grupo especializado fica responsável por isso, a mando de um criminoso que se autointitula o "dono do furo", o chefe da extração ilegal naquela área. A contratação é feita por um intermediário.

 

Para o processo, são utilizadas bombas hidráulicas para retirar o combustível, em um processo conhecido como trepanação, que consiste na instalação de uma derivação clandestina na tubulação perfurada sem que haja a necessidade de fechar o abastecimento do produto.

 

Há dutos pelos quais passam combustíveis específicos, como petróleo. Há dutos em que passam diferentes produtos, dependendo da demanda (óleo diesel, por exemplo).

 

Em seguida, outra pessoa é responsável por encher o caminhão com o material extraído ilegalmente. Pode-se encher vários caminhões, com 15 mil ou 30 mil litros de capacidade cada um. Com a gasolina a mais de R$ 4,90, o combustível roubado pode valer até R$ 148,5 mil por cada caminhão-tanque cheio.

 

Em seguida, o combustível é levado em caminhões para outros municípios, primncipalmente fora do Rio. Cada etapa é feita por um grupo especializado dentro da quadrilha.

 

Existem indícios da cooptação de agentes públicos (como policiais militares e civis e agentes de segurança) para que o esquema tenha se perpetuado na Baixada Fluminense e no interior do Rio. "Há indicativos da atuação de servidores públicos e de milícias com essa atividade", afirmou Barboza.

 

Fonte: G1

Share on Facebook
Please reload

Posts Em Destaque

Etanol reverte queda na usina sob previsão de maior demanda após gasolina mais cara

July 10, 2020

1/10
Please reload

Posts Recentes