Buscar
  • Ecoflex Trading

Transição energética aumenta desafios para minerais essenciais


Transição energética

Transição energética – A mudança para um sistema de energia limpa deve gerar um grande aumento nas necessidades de minerais essenciais, como lítio, níquel, cobalto, manganês e grafite, que são cruciais para o desempenho, longevidade e densidade de energia da bateria, de acordo com um relatório recente da Agência Internacional de Energia (AIE) sediada em Paris.

Usinas solares fotovoltaicas, parques eólicos e veículos elétricos (VEs) geralmente requerem mais minerais para serem construídos do que seus equivalentes baseados em combustíveis fósseis. Um carro elétrico típico requer seis vezes mais insumos minerais de um carro convencional e uma usina eólica onshore requer nove vezes mais recursos minerais do que uma usina movida a gás.


Transição energética: minerais necessários

Desde 2010, a quantidade média de minerais necessários para uma nova unidade de capacidade de geração de energia aumentou 50%, à medida que a participação das energias renováveis ​​em novos investimentos aumentou, segundo a AIE.

Os tipos de recursos minerais usados ​​variam de acordo com a tecnologia. Lítio, níquel, cobalto, manganês e grafite são cruciais para o desempenho, longevidade e densidade de energia da bateria. Elementos de terras raras são essenciais para ímãs permanentes que são vitais para turbinas eólicas e motores VE.

As redes de eletricidade precisam de uma grande quantidade de cobre e alumínio, sendo o cobre a pedra angular de todas as tecnologias relacionadas à eletricidade, afirma o relatório da AIE.

O setor de energia está emergindo como uma grande força nos mercados de minerais, de acordo com o relatório da AIE. Até meados da década de 2010, para a maioria dos minerais, o setor de energia representava uma pequena parte da demanda total.

No entanto, à medida que a transição energética ganha força, as tecnologias de energia limpa estão se tornando o segmento de demanda mineral de crescimento mais rápido.

Em um cenário que atenda às metas do Acordo de Paris, sua participação na demanda total aumenta significativamente nas próximas duas décadas para mais de 40% para cobre e elementos de terras raras, 60-70% para níquel e cobalto e quase 90% para lítio.

Os VEs e o armazenamento de bateria já substituíram os eletrônicos de consumo para se tornarem o maior consumidor de lítio e substituirão o aço inoxidável como o maior usuário final de níquel em 2040.

Conforme os países aceleram seus esforços para reduzir as emissões, eles também precisam garantir que os sistemas de energia permaneçam resistentes e seguros, disse o relatório da AIE. “Os mecanismos internacionais de segurança energética de hoje são projetados para fornecer seguro contra os riscos de interrupções ou picos de preços no fornecimento de hidrocarbonetos, petróleo em particular.

Os minerais oferecem um conjunto diferente e distinto de desafios, mas sua crescente importância em um sistema de descarbonização de energia exige que os formuladores de políticas de energia expandam seus horizontes e considerem novas vulnerabilidades potenciais.

As preocupações com a volatilidade dos preços e a segurança do abastecimento não desaparecem em um sistema de energia eletrificado e rico em energias renováveis. ” Um esforço conjunto para atingir as metas do Acordo de Paris significaria uma quadruplicação das necessidades de minerais para tecnologias de energia limpa até 2040, disse a AIE.

Uma transição ainda mais rápida, para chegar a zero líquido globalmente em 2050, exigiria seis vezes mais insumos minerais em 2040 do que hoje. Em cenários impulsionados pelo clima, a demanda de minerais para uso em VEs e armazenamento de bateria é uma grande força, crescendo pelo menos 30 vezes até 2040.

O lítio tem o crescimento mais rápido, com a demanda crescendo mais de 40 vezes no Cenário de Desenvolvimento Sustentável da AIE em 2040, seguido por grafite, cobalto e níquel (cerca de 20-25 vezes).

A expansão das redes de eletricidade significa que a demanda de cobre por linhas de grade mais do que dobra no mesmo período. O aumento da geração de energia com baixo teor de carbono para atender às metas climáticas também significa uma triplicação da demanda de minerais deste setor até 2040.

O vento assume a liderança, impulsionado pelo vento offshore com uso intensivo de materiais. Usinas Solares seguem de perto, devido ao grande volume de capacidade que é adicionado. A energia hidrelétrica, a biomassa e a energia nuclear fazem apenas pequenas contribuições devido às suas necessidades minerais comparativamente baixas.

Em outros setores, o rápido crescimento do hidrogênio como transportador de energia sustenta um grande crescimento na demanda por níquel e zircônio para eletrolisadores e por metais do grupo da platina para células a combustível.

A perspectiva de um rápido aumento na demanda por minerais críticos levanta enormes questões sobre a disponibilidade e confiabilidade do fornecimento, diz a AIE. Espera-se que alguns minerais, como matéria-prima de lítio e cobalto, sejam excedentes no curto prazo, enquanto o lítio químico, níquel para bateria e elementos-chave de terras raras (por exemplo, neodímio, disprósio) podem enfrentar oferta restrita nos próximos anos.

Estima-se que o fornecimento de longo prazo das minas existentes e projetos em construção atenda a apenas metade das necessidades projetadas de lítio e cobalto e 80% das necessidades de cobre até 2030. O relatório da AIE identificou várias vulnerabilidades que podem aumentar a possibilidade de aperto do mercado e maior volatilidade de preços:

  • Alta concentração geográfica da produção:

A produção de muitos minerais de transição energética é mais concentrada do que petróleo ou gás natural. Para elementos de lítio, cobalto e terras raras, os três principais países produtores controlam mais de três quartos da produção global. Em alguns casos, um único país é responsável por cerca de metade da produção mundial. A República Democrática do Congo (RDC) e a República Popular da China foram responsáveis ​​por cerca de 70% e 60% da produção global de cobalto e elementos de terras raras, respectivamente, em 2019.

  • Longos prazos de desenvolvimento do projeto:

Em média, precisam-se de 16,5 anos para mover os projetos de mineração da descoberta para a primeira produção. Esses longos prazos de entrega levantam questões sobre a capacidade da oferta de aumentar a produção se a demanda aumentar rapidamente.

  • Qualidade em declínio dos recursos:

As preocupações com os recursos estão relacionadas à qualidade e não à quantidade. Nos últimos anos, a qualidade do minério continuou a cair em uma variedade de commodities. Por exemplo, o teor médio de minério de cobre no Chile diminuiu 30% nos últimos 15 anos.

  • O crescente escrutínio do desempenho ambiental e social:

A produção e o processamento de recursos minerais dão origem a uma variedade de questões ambientais e sociais que, se mal geridas, podem prejudicar as comunidades locais e interromper o abastecimento.

  • Maior exposição aos riscos climáticos:

Os ativos de mineração estão expostos a crescentes riscos climáticos. O cobre e o lítio são particularmente vulneráveis ​​ao estresse hídrico devido às suas altas necessidades de água.

Mais de 50% da produção atual de lítio e cobre está concentrada em áreas com altos níveis de estresse hídrico. Várias regiões produtoras importantes, como Austrália, China e África, também estão sujeitas a temperaturas extremas ou inundações, o que representa desafios maiores para garantir suprimentos confiáveis ​​e sustentáveis.

Esses riscos para a confiabilidade, acessibilidade e sustentabilidade do fornecimento de minerais são administráveis, mas a forma como os formuladores de políticas e as empresas respondem determinará se os minerais críticos são um facilitador ou um gargalo na Transição energética global para um sistema de energia limpa.

O fornecimento de minerais e os planos de investimento de hoje ficam aquém do que é necessário para transformar o setor de energia, aumentando o risco de transições de energia atrasadas ou mais caras, concluiu o relatório da AIE.


Fonte: Portal Lubes

5 visualizações0 comentário