top of page

Silveira assegura que não há chance de faltar diesel no mercado brasileiro no momento


Ministro de Minas e Energia afasta possibilidade de desabastecimento do combustível depois da Rússia limitar exportações

O ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, disse nesta quarta-feira, 27, que está tranquilo em relação à possibilidade de desabastecimento de diesel no país. Em conversa com jornalistas, Silveira minimizou os impactos da restrição da Rússia à exportação do combustível e afirmou que o Brasil importa uma quantidade baixa de diesel.

“O Brasil não é autossustentável na produção de diesel, mas é muito perto de ser. Nós só importamos cerca de 20% do diesel consumido no país”, afirmou o ministro. “Nós temos a maior tranquilidade no momento, mas o ministério trabalha de forma incansável para garantir o suprimento de combustíveis e energia elétrica para o país”.

A Rússia anunciou na última quinta-feira, 21, um corte de 30% nas suas exportações de diesel e óleo cru. Segundo o governo russo, essa limitação visa a abastecer o mercado doméstico frente à paralisação para manutenção de algumas refinarias.

A notícia causou preocupação no Brasil, porque embora o país importe uma parcela pequena de diesel para abastecer as necessidades do mercado interno, 75% desse combustível comprado fora do Brasil vinha da Rússia.

Diante desse cenário, Silveira tratou de tranquilizar a população sobre um possível desabastecimento do diesel, o que ele acredita que não deve ocorrer.

Ao mesmo tempo, é possível que haja um aumento no preço do combustível. Conforme noticiado pelo Poder360, a reação dos importadores de diesel em um primeiro momento deve ser pressionar a Petrobras a ofertar uma maior quantidade do combustível, diante da falta de perspectiva em continuar a comprar dos russos.

Contudo, a estatal não será capaz de atender a toda essa nova demanda e será pressionada a aumentar o preço do combustível para evitar desabastecimento. Isso porque o diesel russo é vendido a um preço mais favorável do que os outros países devido às sanções impostas pelos demais países europeus.

Com isso, os importadores brasileiros terão que reequilibrar suas demandas com um preço maior do que pagavam anteriormente aos russos.


Fonte:https://www.novacana.com/

19 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page