top of page

Produção de combustível de aviação de etanol no Brasil é defendida por empresas


A Raízen, primeira produtora de etanol do mundo a obter selo de certificação internacional para a produção do combustível de aviação sustentável (SAF, Sustainable Aviation Fuels, na sigla em inglês), está negociando com várias empresas a fabricação do combustível no Brasil para atender os mandatos de descarbonização da Europa, Japão e Estados Unidos.


"Como a produção de um litro de SAF demanda 1,8 litro de etanol, então o lugar mais eficiente para produzir o combustível é o Brasil. Em vez de você exportar dois litros de etanol, você produz no país que tem a energia mais barata do mundo que é o Brasil e exporta o produto industrializado", disse Francis Queen, vice-presidente executivo de Etanol, Açúcar e Energia da Raízen, em evento promovido nesta quinta-feira (5/10) pelo Citi, em Ribeirão Preto (SP), com empresários do setor sucroenergético.


A certificação ISCC/Corsia (Carbon Offsetting and Reduction Scheme for International Aviation) comprova que o etanol cumpre os requisitos internacionais para a produção de SAF, que é capaz de reduzir em até 80% o volume total de emissões de gases de efeito estufa em comparação ao combustível fóssil de aviação.


O ISCC (International Sustainability & Carbon Certification) garante que os biocombustíveis são produzidos de forma sustentável, respeitando os critérios sociais, ambientais e econômicos.


Francis diz que as discussões estão avançadas, não revela o nome das empresas com as quais a Raízen está negociando, mas sinaliza que podem ser multinacionais. Segundo ele, o SAF de etanol é o único combustível viável para implantação imediata com escala para atender os compromissos de descarbonização já fixados no mundo.


O mercado mundial hoje, diz o executivo, está focado no HVO (Hydrotreated Vegetable Oil ou óleo vegetal hidrotratado), primeira tecnologia de combustível sustentável de aviação, que gera 300 milhões de litros por ano. O problema é que esse combustível produzido com óleos vegetais, óleo de cozinha e sebo bovino não tem escala para atender a necessidade já estimada para 2025 de 20 bilhões de litros e muito menos a demanda global projetada de 450 bilhões de litros em 2050.


"O SAF de etanol brasileiro é a bola da vez pra ir além do HVO. Estamos jogando sozinhos hoje porque o etanol de milho dos americanos emite três vezes mais que o nosso etanol, mas temos que achar um caminho para viabilizar rápido a produção porque eles estão se movendo para resolver isso e nos Estados Unidos as indústrias têm incentivos do governo de até 50 centavos de dólar por litro para produzir SAF."


Questionado se a produção do combustível sustentável pode ser feita dentro das próprias usinas, Francis diz que seria muito difícil porque o modelo financeiro desta produção exige uma escala grande, de 500 milhões de litros ou 1 bilhão de litros para ser economicamente eficiente. "A solução mais eficiente é ter uma indústria que vai receber o nosso etanol para a transformação."


Lígia Sato, gerente de sustentabilidade Latam Airlines que participou do encontro, disse que a empresa tem o compromisso de usar 5% de SAF até 2030 para incentivar a produção desse combustível, embora ele seja hoje cinco vezes mais caro que o querosene de aviação, que já representa 40% dos custos da Latam.


"A aviação mais sustentável tem que ser acessível para dar seguimento à democratização do transporte aéreo e o SAF tem que ser desenvolvido usando critérios internacionais."


Uma empresa que já tem acordo com a Raízen é a Embraer. Segundo Roberto Chaves, vice-presidente global de Suprimentos da empresa aérea, a parceria criou em 2022 um grupo de trabalho para viabilizar o fomento do SAF no país. "Estamos também acelerando as discussões com outros players do ecossistema, como o governo, para achar as melhores soluções."


Plinio Nastari, CEO da consultoria Datagro, disse que o etanol caminha na direção da emissão zero ou até negativa. Para isso, o setor precisa acelerar a substituição do diesel pelo biometano, mudar a estruturação do solo com mais aplicação de torta de filtro e vinhaça, entre outras medidas.


Citi tem interesse em projetos de SAF


A produção do SAF no Brasil teria grande incentivo do sistema financeiro, segundo André Cury, head de Commercial Bank do Citi para a América Latina No médio e longo prazo, o executivo avalia que os investimentos em SAF e outros projetos sustentáveis podem fazer a diferença para o setor sucroenergético.


"A produção hoje não é suficiente para atender às demandas por conta dos compromissos do setor de aviação. As usinas brasileiras precisam se estruturar para aproveitar o potencial que têm de ser um grande fornecedor de combustível sustentável de aviação para o mundo", afirma Cury.

Recursos não devem faltar, segundo o executivo. O banco anunciou um compromisso de financiar US$ 1 trilhão até 2030 em todo o mundo em projetos ambientais que contribuam para a economia de baixo carbono ou gerem impacto na sociedade. Parte desse dinheiro pode vir para o Brasil.


"O montante vai depender da nossa capacidade de originar projetos de transição energética. Se a gente conseguir mostrar que os projetos do Brasil são sustentáveis, têm as práticas que o banco espera, estão ajudando na descarbonização ou na questão social, então os clientes brasileiros vão ter acesso a essas linhas", afirma Cury.


O presidente do banco, Marcelo Marangon, reforçou no encontro que o Brasil é a quinta maior franquia do banco que atua em mais de 160 países e que a busca de soluções para a descarbonização mundial passa necessariamente pelo agro brasileiro.


Fonte:https://www.udop.com.br/

6 visualizações0 comentário

コメント


bottom of page