top of page

Preços globais de energia renovável sobem


Os preços dos contratos de energias renováveis ​​saltaram 28,5% na América do Norte e 27,5% na Europa no ano passado, de acordo com um índice trimestral da LevelTen Energy

Os preços da energia eólica e solar nos principais mercados globais subiram quase 30% em um ano, à medida que os desenvolvedores lutam com cadeias de suprimentos caóticas e custos crescentes para tudo, desde o envio de peças até a mão de obra, de acordo com um relatório publicado nesta quarta-feira (13).


Os preços dos contratos de energias renováveis ​​saltaram 28,5% na América do Norte e 27,5% na Europa no ano passado, de acordo com um índice trimestral da LevelTen Energy que acompanha os negócios, conhecidos no setor como contratos de compra de energia (PPAs). Somente no primeiro trimestre, os preços subiram 9,7% na América do Norte e 8,6% na Europa, informou a LevelTen.


Guerra piorou

As interrupções econômicas, logísticas e do mercado de trabalho durante a pandemia de coronavírus pioraram desde a invasão russa da Ucrânia, revertendo uma década de queda de custos para o setor de energia renovável. Existe o risco de que custos mais altos possam desacelerar o crescimento da demanda em um momento em que as Nações Unidas pediram que a energia limpa se expandisse mais rapidamente para evitar os piores efeitos de um clima mais quente.


Agravando os desafios na América do Norte, o setor não tem certeza se os legisladores dos EUA estenderão isenções fiscais para instalações de energia renovável, parte da agenda de mudanças climáticas do presidente Joe Biden. Os desenvolvedores também estão preocupados com uma investigação do Departamento de Comércio dos EUA iniciada este ano que pode resultar em tarifas sobre as importações de painéis solares da Ásia, elevando os custos. “Há apenas problemas intratáveis ​​no momento com nossa cadeia de suprimentos”, afirmou Reagan Farr, executivo-chefe da desenvolvedora solar norte-americana Silicon Ranch, em entrevista.


Na Europa, a guerra na Ucrânia levou os governos a tentar reduzir a dependência do gás natural da Rússia, aumentando ainda mais a demanda robusta por energias renováveis. A guerra foi “a gota d’água para um mercado onde já havia muita tensão de preços”, informou Oscar Perez, sócio da gestora de fundos espanhola e desenvolvedora de energia renovável Q-Energy, em entrevista.


Fonte: www.moneyreport.com.br

9 visualizações0 comentário

Comentários


bottom of page