Buscar
  • Ecoflex Trading

Petrolíferas estatais podem perder US$ 400 bi com rapidez na mudança de energia


As empresas petrolíferas estatais podem desperdiçar cerca de US$ 400 bilhões em investimentos na próxima década em novos projetos de petróleo que terão dificuldade em gerar lucros à medida que o mundo se distanciar dos combustíveis fósseis, disse o NRGI em sua última pesquisa.


O Instituto de Governança de Recursos Naturais (NRGI) disse na terça-feira que um quinto dos investimentos previstos no setor de petróleo e gás por empresas petrolíferas estatais era economicamente inviável se o aquecimento global fosse mantido dentro de 2 graus Celsius.

O NRGI acrescentou que, com a volta dos Estados Unidos à coalizão global para cumprir os objetivos do acordo climático de Paris, os produtores de petróleo enfrentam um momento de acerto de contas.


Pesquisa publicada hoje pelo Instituto afirma que as empresas estatais de petróleo – muitas em países em desenvolvimento – estão em uma trajetória para gastar bilhões em projetos de petróleo e gás que só terão equilíbrio se o mundo não cumprir as metas de Paris.


Embora as abordagens climáticas de empresas multinacionais de petróleo como BP e ExxonMobil sejam rotineiramente examinadas, este é o primeiro relatório que quantifica a incompatibilidade dos planos de investimento dos CONs com o acordo de Paris.


Os NOCs produzem metade do petróleo e gás mundial e são responsáveis por 40% do capital investido na indústria em todo o mundo. Usando dados de mercado, o relatório do NRGI, Risky Bet: National Oil Companies in the Energy Transition, estima que as NOCs poderiam investir cerca de US$ 1,9 trilhão nos próximos dez anos.


Desse total, cerca de um quinto, ou US$ 400 bilhões, não resultaria em lucro se a transição energética prosseguir em linha com os atuais compromissos climáticos. O NRGI acredita que esse número aumentaria ainda mais se as tecnologias de captura e armazenamento de carbono não fossem implantadas.


Patrick Heller, consultor do NRGI e um dos coautores do relatório, disse: “Uma grande quantidade de investimentos estatais em projetos de petróleo provavelmente só renderá retornos se o consumo global de petróleo for tão alto que o mundo exceda suas metas de emissão de carbono”.


“Esse gasto arriscado tem implicações importantes para o futuro econômico dos países de origem das companhias nacionais de petróleo. Empresas petrolíferas estatais em países em desenvolvimento e emergentes, incluindo Argélia, México e Nigéria, podem investir coletivamente mais de US$ 365 bilhões em tais projetos de alto custo – despesas que poderiam ajudar a aliviar a pobreza ou diversificar suas economias dependentes do petróleo”.


Como exemplo, os pesquisadores destacam a Nigeria National Petroleum Corporation. Quase metade dos próximos gastos com projetos de petróleo do NOC nigeriano – uma quantia que excede os gastos do governo com educação e saúde – pode não atingir o ponto de equilíbrio, mesmo se o mundo progredir rapidamente em direção às metas climáticas.


Da mesma forma, a Ecopetrol da Colômbia poderia investir o equivalente a um quinto dos gastos totais de seu governo em projetos de petróleo e gás que só terão equilíbrio se o mundo deixar de cumprir seus compromissos climáticos.


David Manley, analista econômico sênior do NRGI e coautor do relatório, acrescentou: “Os gastos das empresas petrolíferas estatais são uma aposta altamente incerta. Eles podem pagar, ou podem abrir caminho para crises econômicas em todo o mundo emergente e em desenvolvimento e precisam de resgates futuros que custam caro ao público”.


O relatório do NRGI também observa que os governos de países como Argélia, Angola e Azerbaijão estão fazendo apostas particularmente arriscadas com dinheiro público.


“As companhias petrolíferas nacionais terão uma grande influência no sucesso do esforço para um declínio controlado na produção de combustíveis fósseis em todo o mundo. As autoridades em muitos países produtores correm o risco de avançar com novos investimentos, independentemente do que seja econômica e ecologicamente viável, e os resultados podem ser terríveis. Se as empresas petrolíferas internacionais e os investidores privados cumprirem as suas ambições declaradas de abandonar os hidrocarbonetos, os atores estatais podem ficar ainda mais tentados a intervir e preencher a lacuna na produção de petróleo”, afirmou Heller.


O relatório da Risky Bet é acompanhado por um briefing que detalha os desafios específicos enfrentados pelos CONs no Oriente Médio e no Norte da África – também conhecida como região MENA.


Os pesquisadores descobriram que, embora alguns NOCs MENA tenham acesso a grandes reservas desenvolvidas de baixo custo que os ajudarão a resistir a um declínio de longo prazo, outros enfrentam a incerteza em manter a produção da qual suas economias passaram a depender.


O NRGI sugere no briefing que os NOCs e seus governos em toda a região devem adaptar suas estratégias, tornar-se mais eficientes e responsáveis perante os cidadãos e adotar práticas fiscais que levem à resiliência econômica em um futuro de baixo carbono.



Lucas Souza

Fonte: O Petróleo

1 visualização0 comentário