top of page

Petróleo fecha em queda de quase 3%, após China gerar cautela sobre demanda


Os contratos futuros de petróleo fecharam em queda forte, nesta segunda-feira (15). A commodity esteve sob pressão e chegou a tocar mínimas desde janeiro, após indicadores que frustraram a previsão na China. Além disso, investidores continuavam a monitorar a possibilidade de aumento na oferta, sobretudo se o Irã conseguir retomar o acordo nuclear multilateral, o que permitiria que Teerã exportasse mais óleo.


O petróleo WTI para setembro fechou em baixa de 2,91% (-US$ 2,68), em US$ 89,41 o barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex), e o Brent para outubro recuou 3,11% (-US$ 3,05), a US$ 95,10 o barril, na Intercontinental Exchange (ICE).


A produção industrial chinesa desacelerou, com alta de 3,8% em julho, na comparação anual, abaixo da previsão de 4,5% dos analistas ouvidos pelo Wall Street Journal. As vendas no varejo do país cresceram 27% na mesma comparação, bem inferior à expectativa de alta de 5,0% dos analistas.


Além disso, o país publicou dados fracos de investimentos em ativos fixos, com crescimento abaixo do esperado, e com recorde na taxa de desemprego entre os jovens, enquanto as vendas de moradia caíram. Após os dados, alguns analistas reduziram expectativas para o crescimento da China neste ano, enquanto outros pediam mais medidas oficiais para apoiar o quadro, além do corte de juros hoje anunciado.


Os dados da China reforçaram a cautela no mercado do petróleo, pelos riscos à demanda. Durante a sessão, os contratos do óleo chegaram a cair mais de 5%, mas houve espaço para redução das perdas antes do encerramento.


O TD Securities afirma em relatório que os dados da China "detonaram novas preocupações sobre a demanda". O banco comenta que há também um crescente foco sobre um potencial acordo com o Irã. Caso isso se concretize, o petróleo tenderia a enfrentar mais fraqueza, com queda considerável no prêmio de risco do lado da oferta no mercado atual. Hoje, o Irã sinalizou que pode concordar com a iniciativa, mas ressaltou que os EUA precisam atender suas exigências.


Forte:https://www.udop.com.br/

6 visualizações0 comentário

Yorumlar


bottom of page