top of page

Opep anuncia grande corte na produção de petróleo apesar da pressão dos EUA


A Opep+ disse na quarta-feira que reduzirá a produção de petróleo em 2 milhões de barris por dia, o maior corte desde o início da pandemia, em uma medida que ameaça elevar os preços da gasolina apenas algumas semanas antes das eleições de meio de mandato nos EUA.


O grupo de grandes produtores de petróleo, que inclui Arábia Saudita e Rússia, anunciou o corte de produção após sua primeira reunião presencial desde março de 2020. A redução equivale a cerca de 2% da demanda global de petróleo.


O preço do petróleo bruto Brent subiu mais de 1% para quase US$ 93 o barril com as notícias, somando-se aos ganhos desta semana antes da reunião de ministros do petróleo. O petróleo dos EUA subiu 1,5%, para US$ 87,75.


O presidente Joe Biden disse na quarta-feira que estava preocupado com um grande corte na produção de petróleo da Opep +.


“Eu preciso ver quais são os detalhes. Estou preocupado, é desnecessário”, disse ele em resposta a uma pergunta de Arlette Saenz, da CNN, ao deixar a Casa Branca para a Flórida.


Os cortes de produção começarão em novembro, e a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) e seus aliados se reunirão novamente em dezembro.


Em comunicado, o grupo disse que a decisão de cortar a produção foi tomada “à luz da incerteza que envolve as perspectivas econômicas globais e do mercado de petróleo”.


Os preços globais do petróleo, que dispararam na primeira metade do ano, caíram acentuadamente desde então devido ao temor de que uma recessão global deprima a demanda. O petróleo Brent caiu 20% desde o final de junho. A referência global atingiu um pico de US$ 139 o barril em março, após a invasão da Ucrânia pela Rússia.


A Opep e seus aliados, que controlam mais de 40% da produção global de petróleo, esperam evitar uma queda na demanda por seus barris de uma forte desaceleração econômica na China, Estados Unidos e Europa.


As sanções ocidentais ao petróleo russo também estão turvando as águas. A produção da Rússia se manteve melhor do que o previsto, com a oferta sendo desviada para a China e a Índia. Os Estados Unidos e a Europa estão agora trabalhando em maneiras de implementar um acordo do G7 para limitar o preço das exportações de petróleo russo para terceiros países.


O cartel do petróleo sofreu intensa pressão da Casa Branca antes de sua reunião em Viena, enquanto o presidente Biden tenta garantir preços mais baixos de energia para os consumidores dos EUA. Altos funcionários do governo Biden estavam pressionando seus pares no Kuwait, Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos (EAU) a votar contra o corte da produção de petróleo, segundo autoridades.


A perspectiva de um corte de produção foi enquadrada como um “desastre total” em propostas de discussão divulgadas pela Casa Branca ao Departamento do Tesouro na segunda-feira, que a CNN obteve. “É importante que todos estejam cientes de quão altas são as apostas”, disse um funcionário dos EUA.


Faltando apenas um mês para as críticas eleições de meio de mandato, os preços da gasolina nos EUA começaram a subir novamente, representando um risco político que a Casa Branca está tentando desesperadamente evitar.


O aumento dos preços do petróleo pode significar que a inflação permanece mais alta por mais tempo e aumentar a pressão sobre o Federal Reserve para aumentar as taxas de juros ainda mais agressivamente.


Fonte: snowoci.com

11 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page