Buscar
  • Ecoflex Trading

ONS abre chamada para contratar energia emergencial de usinas térmicas

Contratos para enfrentar crise hídrica terão até seis meses de duração




O Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) abriu nesta segunda-feira, 26, uma chamada pública para a contratação emergencial de usinas térmicas sem contrato para ajudar a poupar água nos reservatórios das hidrelétricas brasileiras.


A chamada é direcionada a geradores que não têm contrato de venda de energia, com o objetivo de adicionar nova capacidade ao sistema. Os contratos terão prazo de até seis meses, prorrogáveis por mais 30 dias para o consumo de eventuais sobras de combustíveis.

As regras para a contratação foram publicadas pelo governo na sexta, 23. Em comunicado divulgado nesta segunda, o ONS pede que eventuais interessados informem a capacidade disponível, o custo de geração e os prazos contratuais desejados.


Para se habilitar, as usinas precisam respeitar alguns requisitos, como a possibilidade de modular a geração e de ter medição da Câmara Comercializadora de Energia Elétrica (CCEE), além de não terem contratos de entrega de energia atualmente.


A contratação emergencial de capacidade de geração é uma das prioridades entre as medidas já anunciadas pela Câmara de Regras Operacionais de Gestão da Crise Hidro energética (Creg), grupo liderado pelo Ministério de Minas e Energia (MME) para enfrentar a crise.


No mercado, a expectativa é que sejam contratadas principalmente usinas a biomassa, que usam como combustível resíduos vegetais, como bagaço de cana-de-açúcar e madeira. Há grande preocupação com relação aos custos dessa geração, que podem pressionar ainda mais a conta de luz.


Na última quinta, 22, o ONS acendeu um novo alerta com uma nota técnica sobre os desafios frente ao cenário de grave crise hídrica nos reservatórios de hidrelétricas, sinalizando que a capacidade de geração de energia no país poderá ser levada ao seu limite.

Apesar de não ver ainda riscos de desabastecimento, o operador indica que as “sobras” de potência – necessárias para atender eventuais picos de demanda ou garantir a estabilidade do sistema mesmo em casos de falhas eventuais na oferta – poderão se esgotar no penúltimo mês do ano.


O sinal vermelho foi ligado após o órgão elevar a previsão de carga e considerar uma menor e mais “realista” disponibilidade térmica para atender a demanda de energia, conforme nota técnica publicada pelo operador do sistema.


O governo vem repetindo que não há risco de racionamento no país, mas é grande a preocupação com o atendimento nos horários de pico, quando a demanda dispara pelo maior uso de aparelhos com grande consumo, como ar-condicionado ou chuveiros elétricos.

Para evitar o risco, o ONS também pediu aos geradores brasileiros que adiem paradas para manutenção em usinas previstas para o segundo semestre. As paradas técnicas devem ser adiadas o máximo possível, pelo menos até o início do período chuvoso que começa no próximo mês de novembro.


Em outra frente, a Creg flexibilizou restrições a vazões de bacias hidrográficas importantes para a capacidade de geração de energia no país, com o objetivo de gerenciar melhor os reservatórios nas usinas hidrelétricas.


Nesta segunda, os reservatórios das hidrelétricas das regiões Sudeste e Centro-Oeste, consideradas a principal caixa-d'água do setor elétrico brasileiro estavam com menos de 28% de sua capacidade de armazenamento de energia.



Fonte: Folha de São Paulo

Por: Nicola Pamplona

3 visualizações0 comentário