top of page

Num mundo em aquecimento, ações de energia limpa caem, enquanto empresas de petróleo prosperam


Para que o planeta evite consequências ainda mais graves do aquecimento global, segundo a Agência Internacional de Energia, a maior autoridade mundial no tema, o consumo de petróleo, carvão e gás natural tem de ser reduzido muito mais rapidamente. Já as fontes de energia limpa, como solar e eólica, têm de se expandir a um ritmo muito mais rápido.

Mas o mercado financeiro parece não ter recebido o memorando. Pelo contrário, as ações de uma vasta gama de empresas de energia limpa têm sido esmagadas ultimamente, numa derrota que abrange praticamente todos os sectores de energia alternativa, incluindo solar, eólica e geotérmica.

Ao mesmo tempo, em vez de se libertarem do petróleo, a Exxon Mobil e a Chevron, as duas maiores empresas petrolíferas dos EUA, estão duplicando seus investimentos e anunciaram aquisições que aumentarão suas reservas.

A Exxon pretende comprar a Pioneer Natural Resources, uma importante empresa de perfuração de xisto, por US$ 59,5 bilhões. Já a Chevron planeja adquirir a Hess, uma grande empresa petrolífera integrada, por US$ 53 bilhões. Estas são enormes apostas no petróleo para os próximos anos.

Benjamin Graham, grande investidor e professor da universidade Columbia, disse uma vez: “A curto prazo, o mercado é uma máquina de votar, mas a longo prazo, é uma máquina de pesar”. Isso significa que o mercado acaba por acertar, mas, no curto prazo, é propenso a entusiasmos, julgamentos precipitados e pensamento míope. Parece ser isso que está acontecendo agora.

Centenas de bilhões estão, de fato, sendo investidos em projetos de energias renováveis, mesmo que o mercado de ações não esteja favorecendo isso neste momento. Os retornos são baixos. O iShares Global Clean Energy ETF, fundo negociado em bolsa que rastreia todo o setor, caiu mais de 30% este ano. Pior ainda, desde o início de 2021, perdeu mais de 50%.

Outros setores também estão sendo punidos. O ETF Invesco Solar caiu mais de 40% este ano e quase 60% desde 1º de janeiro de 2021. O ETF First Trust Global Wind Energy perdeu cerca de 20% este ano e cerca de 40% desde 1º de janeiro de 2021.

A taxa de juros em alta aumentou os custos e moderou o entusiasmo do consumidor em muitos países, reduzindo as avaliações de ações de empresas de rápido crescimento que não estão gerando grandes lucros. As empresas de energias renováveis foram duramente afetadas.

A SolarEdge, que fornece equipamentos necessários para converter a energia dos painéis solares em energia que pode ser transmitida por meio das redes elétricas avisou, em 17 de outubro, que a procura dos seus produtos estava diminuindo. O mercado reagiu de forma dura. As ações da empresa, com sede em Israel, caíram quase 30% num só dia. Outras empresas de energia solar seguiram a queda. A Enphase Energy, uma empresa rival de Fremont, na Califórnia, perdeu quase 40% desde então.

As empresas de energia eólica também não foram poupadas. As ações da Orsted, empresa dinamarquesa de turbinas eólicas, caíram quase 26% na última quarta-feira após ela ter anunciado que poderia ter de reduzir em até US$ 5,6 bilhões o valor dos seus projetos eólicos offshore nos Estados Unidos.

Um dos empreendimentos do grupo da Orsted, o South Fork Wind - conjunto de turbinas que está sendo instalado em Montauk Point -, está previsto para começar a enviar eletricidade para Long Island antes do final do ano. Mas a empresa cancelou dois projetos, conhecidos como Ocean Wind 1 e 2, que deveriam abastecer Nova Jersey com energia verde, e alguns dos seus projetos para Nova York e Connecticut também tiveram problemas.

Aposta nos combustíveis fósseis

Os lucros e as receitas das grandes empresas petrolíferas se enfraqueceram desde o ano passado, quando os preços da energia dispararam após a invasão da Ucrânia pela Rússia.

Para todo o S&P 500, os lucros por ação no terceiro trimestre cresceram apenas 2,7% em relação ao ano anterior, segundo estimativas de John Butters, analista sênior de lucros da FactSet. Excluindo as grandes empresas de energia, porém, esse total aumenta para 8,4%. Isto porque os lucros por ação das grandes empresas de energia de combustíveis fósseis diminuíram 38,1%, mais do que em qualquer outro setor.

Os preços do petróleo são voláteis, e a sua trajetória nos próximos anos está longe de ser certa. Mas a Exxon e a Chevron apostam seu futuro no petróleo. A aquisição da Pioneer pela Exxon seria a maior desde que comprou a Mobil em 1999. E a Chevron vai aprofundar seu compromisso com o petróleo ao adquirir a Hess.

Apesar de saber que não é assim, não consigo deixar de pensar na Hess como “a empresa verde”. Isso é só porque sou um velho fã dos New York Jets. A Hess compartilha uma história verde e branca com os Jets. Leon Hess fundou a empresa, era dono da equipe e gostava da cor verde. Mas a linha de produtos da Hess é à base de petróleo.

Mas isso não importa. O petróleo tem sido bom para os acionistas da Hess e para os acionistas das outras três empresas. Nos últimos três anos, a Exxon aumentou seus rendimentos em cerca de 275%, incluindo dividendos; a Chevron, 135%; a Pioneer, 260%; e a Hess, impressionantes 310%. O S&P 500 rendeu cerca de 32%.

Para além disso, há um fator de risco. Como o Banco Mundial advertiu na última segunda-feira, se a guerra entre Israel e o Hamas se agravar, o conflito no Oriente Médio poderá facilmente desencadear uma subida acentuada dos preços do petróleo. Uma escalada da guerra russo-ucraniana poderia também fazer disparar o petróleo. O mesmo se pode dizer de uma série de potenciais conflitos militares ou políticos.

Muitas empresas de energias alternativas ainda estão sendo avaliadas, por mais que o mundo precise dos seus produtos. As empresas petrolíferas, por outro lado, são apreciadas pela sua capacidade de jorrar dinheiro.

Fonte:https://www.biodieselbr.com/

9 visualizações0 comentário

Hozzászólások


bottom of page