Buscar
  • Ecoflex Trading

Longe do posto: Delivery de gasolina vira tendência nos Estados Unidos


Cada vez mais um novo mercado vem ganhando força no estado norte-americano da Califórnia. A iniciativa é o delivery de gasolina enquanto os proprietários dos veículos estão em casa. Empresas do Vale do Silício como PayPal, UPS, Facebook, Cisco, IBM e FedEx têm utilizado este sistema para abastecer os carros de seus empregados.


Além disso, um serviço parecido com o que há no Brasil, com motoristas ficando nos carros enquanto são abastecidos em postos, também tem ganhado força devido à pandemia.


“As pessoas gostam da conveniência. Eles adoram não ter que sair de seus carros”, disse Avneesh Nigam, diretor sênior de relações da Maximus Real Estate Partners, proprietária de uma comunidade habitacional de 10 mil residentes que oferece o reabastecimento. “Eles adoram que não haja contato”.


Agora, devido ao sucesso, o “abastecimento móvel sob demanda” está sendo estudado pelas autoridades para que haja um padrão estadual, para policiar a indústria e restringir emissões.


Entretanto, de acordo com a Air Resources Board, agência de estudos climáticos, a prática limita emissões, o que aponta que uma certificação oficial será facilmente conseguida pelo serviço – representado principalmente pela empresa Booster Fues, que já realiza estas operações há alguns anos.


No entanto, a ideia de entregar gasolina aos motoristas “envia uma mensagem ruim”, de acordo com o diretor do programa climático da Universidade da Califórnia, Ethan Elkind.

“A gasolina deveria ser estigmatizada até certo ponto como um recurso altamente poluente e com impacto ambiental”, disse ele à Scientific American. “Não deveríamos estar facilitando o abastecimento com combustíveis fósseis neste momento”.


Entretanto, o diretor de políticas da Booster Fuels, Joseph Okpaku, defendeu a prática como uma alternativa de emissões mais baixas. “Hoje oferecemos a maneira mais sustentável de abastecer”, falou. “Mas também estamos totalmente preparados para evoluir com as necessidades de demanda de energia do futuro”.



Fonte: UOL

0 visualização0 comentário