top of page

Híbridos flex lideram mercado focado na descarbonização


Os carros híbridos flex estão na liderança do segmento brasileiro de eletrificados, despontando como estratégicos para a redução das emissões de GEE (gases de efeito estufa) na atmosfera. No 1º quadrimestre de 2023, os veículos leves com a tecnologia apresentaram 39,7% de participação de mercado, segundo dados da ABVE (Associação Brasileira do Veículo Elétrico).


O indicador deve ter um incremento nos próximos anos. Até 2025, a Toyota planeja lançar uma versão híbrida de cada modelo da frota. A montadora também anuncia investimentos de R$ 1,63 bilhão no desenvolvimento de um novo veículo compacto híbrido flex, além de um aporte de R$ 61,8 milhões na atualização de outro modelo.


publicidade

Ao todo, a empresa destinará R$ 1,7 bilhão por meio da adesão ao programa ProVeículo Verde, iniciativa do governo de São Paulo para o desenvolvimento de veículos menos poluentes a partir da liberação de crédito acumulado de ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços).


O novo modelo tem previsão de chegar ao mercado brasileiro em 2024 e será o 3º veículo da marca com a tecnologia híbrido flex. O carro se juntará ao Corolla Cross e ao Corolla sedã na estratégia da companhia de ampliar as opções de automóveis eletrificados que contribuam com a descarbonização do Brasil. Produzido na planta de Sorocaba (SP), o veículo deverá ser vendido para 22 países da América Latina.


A iniciativa também reforça o pioneirismo da Toyota na introdução de novas tecnologias mais sustentáveis no setor automotivo. A montadora apresentou o 1º automóvel híbrido ao mercado nacional há 10 anos. O Prius, lançado em 2013, colaborou para o desenvolvimento e a popularização da solução híbrida flex.


Desde então, o negócio de eletromobilidade nacional está em expansão. Em 2022, 49.245 carros eletrificados foram emplacados no país, 41% a mais que em 2021 (34.990), conforme a ABVE. De acordo com a Anfavea, a previsão para este ano é que o volume de veículos eletrificados chegue a mais de 70 mil unidades.


"O Prius cumpriu um importante papel nesses 10 anos no Brasil e abriu caminho para o desenvolvimento da tecnologia híbrida flex, contribuindo no processo de eletrificação do nosso portfólio", disse o presidente da Toyota do Brasil, Rafael Chang.


O modelo representa um avanço até hoje. Equipado com 2 motores, um de combustão a gasolina e outro elétrico, o Prius se destacava, na época, por ter grande eficiência energética e de combustível e baixa emissão de CO2. Outra característica era ser reciclável, sendo 95% reutilizável e 85% totalmente reaproveitado e tendo 95% dos componentes da bateria de longa duração com possibilidade de reaproveitamento.


Híbrido flex transforma mercado de automóveis


Depois do pontapé para a eletrificação com o Prius, o impulso para o novo momento da indústria automobilística ocorreu em 2015, com a elaboração da tecnologia híbrida flex por engenheiros brasileiros e japoneses da Toyota.


O trabalho deles uniu o potencial máximo das duas soluções: alta eficiência energética do motor elétrico e baixos níveis de emissões de CO2, agregando a possibilidade de uso também do etanol, combustível de fonte 100% renovável.


"Toda essa expertise, resultado da colaboração entre os engenheiros brasileiros e japoneses, permitiu a Toyota apostar ainda mais no Brasil, atrair investimentos, gerar mais renda e emprego em toda a cadeia produtiva e mostrar que é possível contribuir com a neutralidade de carbono na nossa indústria", afirmou Chang.


Em 2018, a montadora investiu R$ 1 bilhão na fábrica de Indaiatuba (SP) para produção do Corolla sedã, 1º modelo híbrido flex do mundo, fabricado com exclusividade no Brasil. O lançamento da versão com a tecnologia ocorreu um ano depois, em 2019.


No movimento para ampliar a oferta de veículos com a nova solução, a Toyota aportou mais R$ 1 bilhão na fábrica de Sorocaba (SP) para produzir o 1º SUV híbrido flex. Lançado em 2021, o Corolla Cross é o veículo leve eletrificado mais vendido no país hoje. No 1º quadrimestre de 2023, foram 3.798 unidades do modelo emplacadas, de acordo com os dados da ABVE.


Além disso, o Corolla Cross é exportado para 22 países da América Latina, um recorde para a operação brasileira, de acordo com a montadora.


Com a popularização da tecnologia, as vendas dos automóveis híbridos flex mais que dobraram no Brasil nos últimos 2 anos. Do total de 19.579 veículos leves eletrificados emplacados nos 4 primeiros meses deste ano, 7.775 eram híbridos flex, aponta a associação. No mesmo período de 2021, foram vendidas 3.360 unidades com a solução. Com base nos números divulgados pela ABVE, 5.983 unidades da Toyota com a tecnologia foram vendidas de janeiro a abril de 2023 no país, somando os modelos Corolla Cross e Corolla sedã.


Modelos ofertam novas tecnologias de mobilidade


Até o momento, a Toyota produziu mais de 105 mil automóveis híbridos e híbridos flex. O investimento de R$ 1,7 bilhão anunciado neste ano reforça a estratégia da empresa em aumentar a produção de veículos que oferecem tecnologia de mobilidade cada vez mais sustentáveis e inovadoras.


O aumento desse tipo de veículo circulando pelas cidades brasileiras contribuirá para a redução de até 83 mil toneladas de CO2 na atmosfera, segundo a empresa. Carros híbridos flex, como o Corolla, emitem até 70% menos gás carbônico em comparação com um modelo comum do mesmo porte, conforme a Toyota.


"O Brasil tem um enorme potencial para ser protagonista mundial na descarbonização da frota. O etanol de cana-de-açúcar é o biocombustível com a menor pegada de carbono do mundo. Uma solução limpa e renovável e que é realidade no país", disse o presidente da Toyota do Brasil.


Na última década, a montadora investiu R$ 6 bilhões no desenvolvimento de tecnologias, na modernização das plantas e na produção dos veículos para comercialização no país e no exterior.


"Reforçamos nossa contribuição para o setor automotivo brasileiro, fazendo isso de forma pioneira, sustentável e, principalmente, gerando empregos e contribuindo com a economia local", ressaltou Chang.


Fonte:https://www.udop.com.br/

4 visualizações0 comentário

コメント


bottom of page