Buscar
  • Ecoflex Trading

Estudo da Embrapa mostra que o Brasil criou mais de uma startup por dia em 2020


No Brasil, mais de uma startup foi criada por dia em 2020, mesmo durante a pandemia da Covid 19. O dado integra o Radar Agtech Brasil edição 2020-2021, lançado dia 28 de maio em evento virtual. O radar é um mapeamento de startups brasileiras que atuam no setor agropecuário -- as chamadas agtechs -- e que foram analisadas nos últimos meses quanto a sua distribuição geográfica, websites e contatos, segmento de atuação e categoria (antes, dentro e depois da fazenda), resultando na identificação de 1.574 agtechs. O estudo foi realizado pela Embrapa em parceria com a SP Ventures e a Homo Ludens Research and Consulting e com apoio do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), e mostra que o número de empreendimentos ativos no País aumentou em 40% se comparado ao ano de 2019. O Presidente da Embrapa, Celso Moretti, comemorou esse crescimento e destacou a contribuição da pesquisa agropecuária e da inovação para o resultado. "A importância dessa parceria das agtechs com as instituições de pesquisa, universidades e setor produtivo, e podemos avançar ainda mais nessa interação, contribuindo com mais desenvolvimento, competitividade e maior sustentabilidade para o Agro brasileiro", disse. Já Francisco Jardim, sócio fundador da SP Ventures, lembrou que os números apresentados no Radar não nos surpreendem, devido a pujança empreendedora do setor Agro brasileiro nos últimos anos. "Mesmo em um momento de enormes desafios e de crise econômica, como em 2020, o período foi muito fértil no País para o empreendedorismo e a inovação, mostrando que é possível manter nosso protagonismo para as próximas décadas". Jardim também reforçou que o estudo nasceu como um mapeamento, mas que hoje representa um mecanismo de transparência e contabilidade do empreendedorismo de alto impacto no Brasil. A nova edição do Radar Agtech Brasil aperfeiçoou seus métodos e buscou mais fontes de dados, o que permitiu acompanhar a evolução do ecossistema de inovação no último biênio e obter, com maior precisão, o detalhamento das atividades de investimento em agtechs. O estudo também identificou o cenário de investimentos feitos nesse setor, e as 78 instituições que apoiaram com incubação, aceleração ou investimento, proporcionando aportes financeiros e/ou de gestão para 223 empresas de base tecnológica que atuam no Agro brasileiro. Perfil das startups do Agro O que tem atraído mais investidores são as agrofintechs e categorias de equipamentos, como drones, como explica Murilo Vallota da SP Ventures (Imagem: Pixabay) Das 1.574 agtechs validadas, analisadas e classificadas no estudo, 199 startups desenvolvem soluções digitais para atender demandas das cadeias produtivas na etapa antes da fazenda, 657 desenvolvem inovações para dentro da fazenda e 718 trabalham com tecnologias para a fase depois da fazenda. A maioria dessas startups atuam nas seguintes áreas: alimentos inovadores e novas tendências alimentares (substituição de ingredientes e alimentos mais nutritivos), sistemas para a gestão da propriedade rural (plataformas on-line, dispositivos de gestão), plataformas integradoras de sistemas e soluções de dados, marketplace e plataforma de venda de produtos agropecuários, drones e máquinas, sensoriamento remoto e monitoramento de imagens. O setor de foodtechs, por exemplo, tem grande destaque para o empreendedorismo agropecuário, principalmente na categoria Alimentos inovadores e novas tendências alimentares, que representa quase 20% do total de startups mapeadas, e tem muito empreendedor criando negócios nessa categoria, mas ainda é um campo difícil de conseguir investimento. O que tem atraído mais investidores são as agrofintechs e categorias de equipamentos, como drones, como explica Murilo Vallota da SP Ventures. O relatório aponta também a distribuição das startups por região, sendo que a maioria, 48%, está localizada na região Sudeste (983); seguido do Sul (397); Centro-Oeste (94); Nordeste (72) e, por fim, região Norte (26). O panorama da distribuição setorial e geográfica indica que o fortalecimento do ecossistema das agtechs é baseado na consolidação dos principais centros de inovação como polos de startups, mas o estudo também identificou a migração dessas startups outras regiões, com destaques para o Centro-Oeste e Nordeste, além da presença de agtechs em quase todas as cidades do País. Radar Agtech Brasil A equipe coordenadora do estudo já trabalha na perspectiva dos dados a serem levantados para a próxima edição do Radar, quando pretendem analisar os impactos ESG (Imagem: Reuters/Agustin Marcarian) Trata-se do mais completo e amplo mapeamento das startups que operam no agronegócio em segmentos antes, durante e depois da fazenda, e nas mais diversas cadeias produtivas e seus elos. O objetivo do estudo é dar maior visibilidade às agtechs, e, de acordo com o secretário de Inovação e Negócios da Embrapa, Raul Rosinha: atuar como fonte para pesquisas e criação de políticas públicas, apoiar a tomada de decisões em diversas esferas do ecossistema, promover o setor de agfoodtechs no mercado internacional, atrair novos investidores e novas parcerias entre os empreendedores, bem como a adoção de soluções tecnológicas. A edição 2020-2021 também conta com um resumo em inglês, que ressalta os principais resultados do mapeamento, com o perfil das agtechs e informações sobre os principais investidores dessas startups. A equipe coordenadora do estudo já trabalha na perspectiva dos dados a serem levantados para a próxima edição do Radar, quando pretendem analisar os impactos ESG (Ambiental, Social e Governança, sigla em inglês) que são gerados pelas empresas, tanto no âmbito socioambiental, quanto da gestão do negócio. Nesta perspectiva, o Radar Agtech Brasil está aberto a parcerias com novas instituições, visando contribuir continuamente com o desenvolvimento do ecossistema de inovação.


Lucas Simões Fonte: Money Times

0 visualização0 comentário