Buscar
  • Ecoflex Trading

Estados disciplinam ICMS do Diesel


Desenho do Convênio conseguiu evitar aumento de carga tributária que decorreria de sugestão da Lei.


Os secretários de Fazenda aprovaram por unanimidade nesta quinta-feira (24), na 347ª Reunião Extraordinária do Confaz (Conselho Nacional de Política Fazendária) um Convênio ICMS que disciplina o ICMS para o óleo diesel, criando a alíquota uniforme ad rem para o novo regime monofásico de cobrança, assim como alteraram a redação do Convênio 01/2022 para prorrogação do congelamento do ICMS sobre gasolina, etanol e gás de cozinha (GLP).


O congelamento do PMPF, que serve de base de cálculo do ICMS a ser recolhido sobre o preço final da gasolina, etanol e gás de cozinha foi prorrogado por mais 90 dias, até 30 de junho de 2022.


Para o diesel, o desenho da Lei Complementar 192/2022, que adota uma alíquota uniforme, sugeria a possibilidade de se adotar uma média de alíquotas e compensações para estados que reduzissem recursos para chegar à média, que seria financiado por aumento de carga para os que estivessem abaixo dessa média, o que poderia redundar inclusive em reajustes em, aproximadamente, metade dos estados.


Para que isso não ocorresse, os técnicos dos estados trabalharam num modelo para chegar à proposta do Convênio ICMS hoje celebrado, quinta-feira (24), com a criação de alíquota ad rem para o diesel. Ressalte-se que a arrecadação da média sugerida pela Lei Complementar e a do Convênio serão rigorosamente a mesma.


O valor da alíquota ad rem para o óleo diesel S10 (o de uso mais difundido), foi fixado em R$1,0060.


O Convênio contém em anexo um subsídio de ajuste de equalização de carga cuja repercussão não ultrapassará a arrecadação em vigor para o estado, a partir do parâmetro do congelamento de novembro.


A exemplo, o estado de Sergipe aplicará um subsídio de ajuste de R$0,0945 à alíquota uniforme, o que, na prática, resultará numa carga de R$0,9115 por litro de S10 para o estado, ou seja, mesmo contexto de fiscalidade hoje em vigor.


Para que os sistema “Scanc” que administra a distribuição de arrecadação de combustíveis dos estados seja ajustado, assim como o programa da nota fiscal eletrônica para o novo modelo de tributação do ICMS, inaugurado pela Lei Complementar 192/22, seja adaptado, a produção de efeitos do Convênio ICMS de disciplinamento do ICMS do diesel se dará a partir de 1º de julho. Até lá os valores congelados de novembro de 2021dos PMPFs desse combustível continuarão sendo aplicados pelo Scanc.


O congelamento já reduziu em cerca de 1 bilhão por mês os recursos de ICMS combustíveis para os estados (250 milhões mês para municípios) até fevereiro de 2022. E a partir de março, com os PMPFs atuais, reduzem receitas em cerca de 1,15 bilhão a cada mês, para os estados.


Fonte: www.comsefaz.org.br


0 visualização0 comentário