top of page

Combustível do Futuro não terá diesel coprocessado, diz relator Arnaldo Jardim

O relator do projeto de lei do Combustível do Futuro, deputado Arnaldo Jardim (Cidadania/SP), espera fechar nesta terça-feira (5/3) um texto negociado entre Câmara, governo e os setores envolvidos, dos biocombustíveis ao setor automotivo.

O parlamentar concedeu uma entrevista exclusiva para assinantes do político epbr na última sexta-feira (1/3), em que reforçou sua posição de não incluir o diesel coprocessado – em que óleos vegetais são processados junto com o petróleo na refinaria – no mandato do biodiesel.

  • “Não colocarei o diesel coprocessado. Não por nenhum preconceito (…) Mas esse projeto trata dos biocombustíveis, do combustível do futuro. Então eu acho que não era o processo adequado”, disse Jardim.

  • “Acho que a indústria, aí no caso, o próprio IBP (Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás), tem que continuar com seus questionamentos. Já fiz vários encontros, algumas coisas adequei no projeto, outras estou disposto a adequar, desde que não comprometa aquilo que é a minha convicção”, afirmou.

O relatório prevê a ampliação da mistura obrigatória de biodiesel ao diesel para 20% até 2030, com margem de até 2 pontos percentuais, definida pelo Conselho Nacional de Política Energética (CNPE).

Na entrevista, Arnaldo Jardim falou também sobre a obrigação de compra de biometano prevista no Programa Nacional de Biometano, entre outros pontos do projeto.


6 visualizações0 comentário

Commentaires


bottom of page