top of page

Com preços defasados, postos têm dificuldade para comprar diesel


A política de preços da Petrobras, que tem causado uma crescente defasagem nos preços dos combustíveis em relação às cotações internacionais, já provoca também problemas no abastecimento interno. Postos estão com dificuldades para adquirir óleo diesel. Revendedores dizem que as distribuidoras estão cortando e restringindo pedidos de compra por causa da menor disponibilidade do produto no mercado local.

Segundo apurou o Poder360, falta diesel no mercado interno com a redução nas importações do produto. Desde que a Petrobras deixou de se guiar pelo PPI (Preço de Paridade Internacional) e passou a reduzir os preços com base na sua nova política, a defasagem no valor é de 30%, mostra relatório da Abicom (Associação Brasileira dos Importadores de Combustíveis) divulgado nesta 5ª feira (10.ago.2023). Eis a íntegra (798 KB).

De acordo com o MinasPetro (Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo de Minas Gerais), postos mineiros estão com dificuldades para comprar diesel S10 e S500. Em nota (35 KB), a entidade alerta para o risco de desabastecimento, sobretudo em estabelecimentos no interior e de marca própria, que podem ficar sem diesel nos próximos dias se a situação não for normalizada.

O mesmo cenário já é relatado em outras regiões do Brasil.

Pesquisa da consultoria Posto Seguro indica que revendedores têm encontrado restrições para comprar diesel S500 em 6 Estados:

- Rondônia; - Pará; - Minas Gerais; - Mato Grosso; - Paraná; - Santa Catarina.

A situação é pior no caso do diesel S10. Há relatos de cortes no fornecimento em 11 unidades da Federação:

- Rondônia; - Pará; - Tocantins; - Rio de Janeiro; - Distrito Federal; - Mato Grosso; - Mato Grosso do Sul; - Goiás; - Paraná; - Santa Catarina; - Rio Grande do Sul.

A Fecombustíveis (Federação Nacional do Comércio de Combustíveis e de Lubrificantes) confirma casos de restrição em algumas regiões. Afirma que são pontos isolados e diz não haver cenário de desabastecimento no país no momento.

Os mais afetados

Desde 31 de julho, a Vibra Energia (antiga BR Distribuidora), que atende os postos com a marca Petrobras, iniciou as restrições. Comunicado interno ao qual o Poder360 teve acesso afirmava “oscilações na disponibilidade interna do produto diesel S10” por decisão da diretoria comercial da empresa.

O aviso informava a adequação das cotas e restrição a novos pedidos para os clientes de bandeira branca (BB) e transportadores revendedores retalhistas (TRR) em várias bases de distribuição da empresa pelo país.

Juliana Martins, diretora do Setcemg (Sindicato das Empresas de Transportes de Cargas e Logística de Minas Gerais), diz que o maior problema no Estado é justamente no fornecimento de diesel S10. Ela fala que em postos de marca própria (bandeira branca), os TRRs estão tendo os pedidos atendidos parcialmente pelas distribuidoras em função da menor disponibilidade.

“Um posto que comprava 15.000 litros por semana, agora está recebendo apenas 10.000, por exemplo. Então não temos cenário de falta total do produto ainda, mas restrições parciais. A partir do momento que começa a segurar os preços no mercado interno, a importação fica mais cara. Não compensa. O que estamos vendo é uma falta parcial do produto que é correspondente a parte do total importado”, diz Juliana, que também é proprietária de uma TRR em Minas Gerais.

O Brasil não produz todo o diesel consumido aqui. Cerca de 25% precisa ser importado, sendo a maior parte da Rússia. Por causa do preço de compra no exterior e dos custos de transporte, o produto tem chegado ao país mais caro do que os preços praticados pela Petrobras. Com isso, o volume importado tem sido cortado.

CEO da Posto Seguro, Nélio Wanderley afirma que a situação provoca um “caos” e pode se agravar nos próximos dias. Relata casos de grandes filas de caminhões em bases distribuidoras de diesel na tentativa de comprar o produto.

“Se continuar como está, a gente pode começar a ver desabastecimento nos próximos dias, sobretudo nos postos de marca própria e nas TRRs, que são as que mais estão sofrendo com as restrições. Os pontos de rede [com bandeira] tem contrato, então são priorizados, mas até eles estão enfrentando dificuldade para comprar. Como o estoque nas refinarias vai se reduzindo, se isso não for resolvido logo teremos um problema grande”, afirma.

Procurada pelo Poder360, a Vibra informou que no caso dos postos de bandeira branca e TRRs “seguem sendo atendidos dentro dos volumes previstos para o mês”. A empresa disse ainda que “mantém o fluxo e volumes de seu estoque para garantir o abastecimento e assegurar o fornecimento de diesel, atendendo normalmente a demanda regular dos clientes contratados e a rede de revenda com o comprometimento habitual”.

A Ipiranga informou que o abastecimento de diesel em sua rede segue normal, dentro do volume habitual de compras de seus revendedores e clientes. A Raízen não respondeu.

Nova política de preços

No novo modelo, adotado desde maio, a Petrobras não deixa de considerar o mercado internacional, mas o faz com base em outras referências para cálculo, além de incorporar referências do mercado interno. É considerado:

- Custo alternativo do cliente; - Valor marginal para a Petrobras.

O 1º é estabelecido a partir das alternativas que o consumidor tem no mercado, sendo observados os preços praticados por outros fornecedores que ofereçam os mesmos produtos ou similares. Já o 2º considera as melhores condições obtidas pela companhia para produção, importação e exportação.

O último reajuste nos preços dos combustíveis foi feito pela Petrobras em 1º de julho, reduzindo o valor do diesel nas refinarias em 12,8%.

Para o mercado, a nova estratégia é vaga e não tem parâmetros claros, o que abre caminho para a Petrobras alterar seus preços sem previsão ou transparência.

O Poder360 procurou a estatal para se manifestar sobre a defasagem, mas não ainda teve resposta.


Fonte:https://www.biodieselbr.com/

26 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page