top of page

Brasil terá produção de hidrogênio renovável a partir de etanol



O Brasil terá a 1ª planta do mundo para produzir hidrogênio renovável a partir de etanol. A iniciativa simplificará o transporte da molécula e, no futuro, poderá ajudar na descarbonização de setores da indústria e dos transportes, viabilizando, por exemplo, o uso de carros elétricos a hidrogênio no país. O projeto é liderado pela Shell, que estima R$ 50 milhões em investimentos nos próximos anos. A implantação será dividida em 3 etapas, sendo que a 1ª delas inclui um posto experimental para abastecimento de veículos na USP (Universidade de São Paulo), numa parceria com o RCGI (Centro de Pesquisa para Inovação em Gases de Efeito Estufa) da universidade, além do Senai e das empresas Hytron, Raízen e Toyota.

O etanol (C2H6O) tem 2 átomos de carbono, 6 de hidrogênio e 1 de oxigênio em cada molécula. O processo consiste em quebrar essa molécula através de um equipamento chamado reformador a vapor através de reações químicas, catalisador e alta pressão e temperatura. A partir daí se tem o hidrogênio. Já o carbono é devolvido para a atmosfera.

De acordo com o gerente de Tecnologias de Baixo Carbono da Shell Brasil, Alexandre Breda, a 1ª fase vai mostrar que é possível descarbonizar a mobilidade através do hidrogênio. Ele destaca que o projeto nasceu numa parceria da petroleira com a Hytron e que o Brasil é o país ideal para protagonizar essa produção, pois também foi vanguardista no etanol.

“Há muito tempo o mundo fala de hidrogênio mas ninguém sabe direito como produzir e transportar. Hidrogênio é a molécula mais abundante no ambiente, mas nunca tá sozinha. Você tem que produzir. E depois transportar, e por ser uma molécula pequena, é complexo o transporte. E pensamos: porque não etanol? Que é um biocombustível brasileiro, não é tóxico. É muito mais fácil transportar o etanol”, disse.

Ele explica que como em nenhum lugar do mundo é feita a produção de hidrogênio a partir de etanol, o projeto ainda tem um caráter de pesquisa, até mesmo para averiguar custos, qual será o preço e a real pegada de carbono desse hidrogênio. O diretor-científico do RCGI, Julio Romano Meneghini, explica que nesta 1ª fase tudo isso será estudado, além da eficiência da planta-piloto. Segundo ele, os números preliminares mostram que é viável usar o etanol como vetor para transportar o hidrogênio sustentável.

“Se olharmos o etanol de 1ª geração, o hidrogênio produzido a partir dele tem uma baixíssima pegada de carbono e um custo baixo. Pelos dados de laboratório, já se mostra muito competitivo ante o hidrogênio verde, por causa do transporte”, afirma. Meneghini, que também é professor titular da Escola Politécnica da USP, explica a diferença do chamado hidrogênio verde para este produzido a partir de etanol. “O que é chamado de hidrogênio verde normalmente é feito a partir da eletrólise da água, a partir da geração de energia eólica e solar. Esse que estamos trabalhando é a partir da reforma do etanol. Outra diferença são as emissões: olhando o CO2 emitido na cadeia, porém, a fabricação dos painéis solares e de torres e pás eólicas têm uma pegada de emissões”, afirma. No caso do hidrogênio a partir do etanol, também há emissões no início da cadeia, mas que podem ser eliminadas, tornando a pagada de carbono negativa, algo que nem o hidrogênio verde tem. “Se tirar o diesel de todas as etapas de transporte do etanol e utilizar o biometano produzido por ele, temos uma pegada zero. E se capturar o CO2 do processo de fermentação para produção de biomassa, a emissão pode ser negativa”.

A facilidade no transporte é outro fator que diferencia os 2 processos. “Qualquer lugar do Brasil pode receber tanques de etanol. Já existe uma logística para transportar e armazenar etanol. E o custo de transportar um combustível como o hidrogênio na forma gasosa ou na forma liquefeita é mais alto e você tem que investir pra ter esses equipamentos”, diz Meneghini. Além da unidade da USP, o projeto da Shell estima mais 2 etapas, com ganho de escala gradativo de produção de hidrogênio em cada um. Ainda não há definição sobre local de implantação das demais unidades.


Fonte: https://www.poder360.com.br/


14 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page