top of page

Brasil terá 90% da adição de solar distribuída na América Latina até 2028

O Brasil representará 90% de um total de 50 GW de energia solar distribuída previstos para serem instalados na América Latina até 2028. A expectativa é que o país adicione em média 7 GW por ano entre 2023 e 2028. As informações são de um estudo divulgado  pela Agência Internacional de Energia (IEA, na sigla em inglês). 

Segundo a IEA, o generoso sistema de compensação de energia brasileiro levou a um boom de crescimento da energia solar distribuída, com o país adicionando mais de 15 GW desde 2015.

No entanto, desde janeiro de 2023 houve uma mudança no sistema de medição líquida, que passou a cobrar dos consumidores o pagamento gradual pelo uso da rede das distribuidoras. 

“Embora em muitos mercados mudanças drásticas nas políticas ou nas compensações muitas vezes levem a declínios dramáticos na nova capacidade, espera-se que o setor solar fotovoltaico distribuído do Brasil permaneça forte, com adições médias de mais de 7 GW por ano até 2028”,  diz o relatório. 

Para a Agência, esse cenário é reforçado em razão do crescimento acentuado das tarifas de energia no Brasil combinado com a redução dos custos dos sistemas fotovoltaicos no país

“Assim, a combinação destes fatores significa que o período de retorno dos sistemas residenciais aumentou apenas moderadamente, de uma média de pouco menos de 5 anos para cerca de 5,6 anos, ajudando a impulsionar o crescimento.”

Contratos bilaterais puxam a expansão da geração centralizada

Segundo o estudo, a América Latina acrescentará mais de 165 GW de capacidade instalada de energia renovável entre 2023 e 2028, liderada pela energia solar e seguida pela energia eólica. Quatro mercados representam 90% das adições da região: Brasil (108 GW), Chile (25 GW), México (10 GW) e Argentina (4 GW).

A IEA destaca que os leilões promovidos por governos não são mais os principais responsáveis pela expansão das fontes solar e eólica de grande porte, sobretudo nesses quatro países.

“No Brasil, acordos bilaterais no mercado livre permitem mais de 85% das adições de energia solar fotovoltaica e eólica em escala de serviço público no período de previsão. Na Argentina, até 80% das adições são provenientes de PPAs (Power Purchase Agreement) corporativos, enquanto a maioria das adições no Chile é por meio de PPAs corporativos ou projetos comerciais.”

Na visão da agência, as empresas que buscam energia renovável estão focadas em ter maior certeza sobre os preços, bem como visam alcançar objetivos de descarbonização de suas atividades, com foco na agenda ESG. 

“Embora os leilões já não sejam o principal motor de crescimento no Brasil e no Chile, o aumento da procura e o ajuste dos preços poderão levar a uma maior participação, acelerando a expansão em ambos os países. Na Argentina, os desafios macroeconômicos dificultam o crescimento.”

A IEA também destaca a importância da expansão dos sistemas de transmissão e da implantação de tecnologias de armazenamento de energia para apoiarem o crescimento das fontes renováveis. 


14 visualizações0 comentário

Commentaires


bottom of page