top of page

Brasil precisa de R$ 1 trilhão para financiar usinas de hidrogênio verde, diz BNDES


O Brasil vai precisar de investimentos da ordem de R$ 3 trilhões a R$ 3,5 trilhões em infraestrutura nos próximos dez anos, nos cálculos dos técnicos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Uma parte significativa desse investimento, disse a diretora de infraestrutura, transição energética e mudanças climáticas do BNDES, Luciana Costa, deverá ser feita em energia, sobretudo face à demanda das usinas de moléculas de hidrogênio, que devem ser o motor de transição nas próximas décadas.

Nos últimos 20 anos, disse Costa, foram investidos, R$ 1 trilhão em infraestrutura, o que denota, ao mesmo tempo, a necessidade de alavancar esse volume e certa capacidade para fazê-lo.

Ela fez as afirmações no seminário “Financiamento para o grande impulso para a sustentabilidade”, organizado pelo BNDES em parceria com a Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal) e a Fundação Friedrich Ebert Stiftung (FES), da Alemanha.

Em rápida apresentação, Luciana Costa abriu as estimativas do BNDES para os próximos dez anos. Segundo a diretora, o país vai precisar de R$ 520 bilhões somente para a expansão da geração de energia e R$ 1 trilhão para financiar usinas de hidrogênio verde.

A expansão da eletromobilidade, um dos focos do banco conforme o presidente Aloizio Mercadante, vai exigir R$ 263 bilhões, o que deve contemplar no curto e no médio prazos a indústria de ônibus elétricos. Outros R$ 400 bilhões em investimentos ainda serão necessários para viabilizar a expansão planejada do saneamento básico.

“Como pensar isso sem ter um grande banco de fomento? Se o BNDES não fomentar, o mercado privado sozinho não vai conseguir. O BNDES não vai competir nem com o mercado de capitais e nem com os bancos privados. Na verdade, se o BNDES entrar, as outras fontes vão ter mais negócios para fazer”, disse ela.

Segundo Luciana Costa, apesar da taxa básica de juros alta (13,75%) e de “ventos macroeconômicos contrários”, o BNDES vai voltar a escalar desembolsos. “Em 2022, desembolsamos R$ 42 bilhões para infraestrutura e energia. Em 2023, a expectativa é de R$ 47 bilhões”, disse.

A diretora repetiu Mercadante ao dizer que, para fazer frente ao potencial das usinas de hidrogênio, será preciso dobrar a capacidade de geração de energia limpa do país.

“Essa reindustrialização é verde e tecnológica, exatamente porque nós temos as vantagens competitivas já estabelecidas na nossa matriz. O hidrogênio verde não é uma falácia”, afirmou. “Ele não vai resolver todos os problemas, mas ele é que vai viabilizar a transição no transporte de longa distância, navegação, cimento e siderurgia”, completou.

Conforme Luciana Costa, o país será um dos mais competitivos na área, com produção em larga escala e potencial para desenvolver uma molécula mais barata que o hidrogênio azul, com base em energia termelétrica.


Fonte:https://www.novacana.com/

4 visualizações0 comentário

Commentaires


bottom of page