Buscar
  • Ecoflex Trading

Brasil irá na contramão do mundo se reduzir imposto sobre diesel, alertam ambientalistas


Considerado atualmente um "pária" internacional na agenda de sustentabilidade, devido ao avanço recente do desmatamento na Amazônia e ao afrouxamento dos mecanismos de proteção ambiental, o Brasil pode dar mais um passo na contramão do mundo se o governo Jair Bolsonaro levar adiante seu plano de reduzir impostos sobre combustíveis fósseis, afirmam ambientalistas.


Nesta segunda-feira (8/2), a Petrobras anunciou o terceiro reajuste de combustíveis em menos de 40 dias de 2021. Com a nova rodada de correções, a gasolina já acumula alta de 22% nas refinarias esse ano e o diesel, de 10,9%.


Três dias antes, diante da ameaça de greve dos caminhoneiros, Bolsonaro convocou uma reunião com o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, e um grupo de ministros para discutir a escalada de preços dos combustíveis.


Após o encontro, o presidente disse que não vai haver interferência na política de preços da Petrobras. Mas anunciou que o governo planeja um projeto de lei para mudar a forma de cobrança do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) sobre combustíveis e estuda também reduzir o PIS/Cofins sobre o diesel.


44% do preço da gasolina

Segundo a Petrobras, na gasolina, o ICMS responde por 29% do preço final e o PIS/Cofins e a Cide (Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico), por outros 15%. O restante do valor cobrado dos consumidores corresponde ao custo da Petrobras (29%), à margem de distribuição e revenda (12%) e ao custo de adição de etanol à mistura (15%).


Já no diesel, o ICMS responde por 14% do valor final e o PIS/Cofins, por 9%, enquanto a Cide está zerada para esse combustível. O custo da Petrobras aqui equivale a 47% do valor final, que se soma a 16% de margem de distribuição e revenda e 14% do custo de adição do biodiesel à mistura.


"O preço da refinaria é menos da metade do preço da bomba. Isso é fato. O preço na bomba é mais do dobro da refinaria. O quê que encarece? São os impostos e mais outras coisas também", disse Bolsonaro a apoiadores na porta do Palácio da Alvorada nesta segunda-feira.


"O imposto federal é alto, o estadual é alto, a margem de lucro das distribuidoras é grande e a margem de lucro dos postos também é grande. Então, está todo mundo errado, no meu entendimento, pode ser que eu esteja equivocado."


A declaração foi registrada em vídeo divulgado nas redes sociais do presidente.

O ICMS é um imposto estadual que incide sobre a venda de mercadorias e a prestação de serviços. O governo estuda duas possiblidades de mudança: a cobrança de uma alíquota fixa por litro de combustível ou a cobrança do imposto já nas refinarias.


O objetivo, segundo Bolsonaro, é dar mais previsibilidade de custos, já que atualmente o tributo é variável e cada Estado decide sua alíquota. A proposta, porém, deve enfrentar resistência dos governadores, que temem com isso perder arrecadação.


No caso da redução do PIS/Cofins, o entrave é a perda de receita do próprio governo federal.


"Evidentemente não podemos fazer de uma vez; é caro, é bastante dinheiro. Mas nós temos que começar o movimento nessa direção", disse o ministro da Economia, Paulo Guedes, após a reunião na sexta-feira (5/2).


"Esse foi o mote da campanha; um dos motes na economia foi 'vamos tirar o Estado do cangote do povo'. Então, por um lado, ele [Bolsonaro] gostaria de zerar esse imposto federal. Hoje, são R$ 0,35; só que cada centavo [de imposto] são R$ 575 milhões [de arrecadação]. Então, isso exige uma compensação, pelo compromisso de responsabilidade fiscal", completou Guedes.


Na contramão do mundo

Para Davi Martins, porta-voz de Clima e Justiça do Greenpeace Brasil, o governo brasileiro vai na contramão do mundo ao propor uma redução de impostos para combustíveis fósseis.

"É um erro continuar dando incentivos a combustíveis fósseis que estão aumentando de preços globalmente, por conta da transição mundial para renováveis", diz Martins.


"Há uma redução da oferta e um aumento da pressão para que esses combustíveis sejam deixados de lado. Então, o governo Bolsonaro se coloca numa postura antagônica à posição mundial de gradualmente fazer a transição para renováveis e, o que é pior, isentando uma arrecadação que poderia ser empregada, inclusive, para acelerar a transição energética aqui no Brasil", afirma.


Segundo o porta-voz do Greenpeace, a medida também é problemática porque reduziria o preço dos combustíveis apenas temporariamente.


"A médio prazo, essa medida é falha, porque o preço dos combustíveis está subindo e isso não vai parar. Estamos vendo a demanda ser reduzida e a tendência é o preço subir."


Martins explica que isso acontece porque o preço do petróleo, insumo para o refino de combustíveis, é definido pelos países produtores reunidos na Opep (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) por decisões políticas, não respondendo a uma dinâmica de livre mercado de oferta e procura.


"O que está acontecendo agora é que os mercados produtores de petróleo estão querendo acelerar ao máximo seus ganhos e isso está impulsionando o preços dos combustíveis para cima, porque eles estão vendo que não existe saída, é um mercado que está com seus dias contados", avalia o ambientalista.


Governo já deixa de arrecadar

Segundo estudo publicado ao fim do ano passado pelo Inesc (Instituto de Estudos Socioeconômicos), em 2019, o governo deixou de arrecadar R$ 52,7 bilhões em PIS/Cofins e Cide sobre combustíveis.


Somente para o diesel, desde a greve dos caminhoneiros, a perda de arrecadação foi de R$ 18 bilhões relativos à isenção da Cide e outro R$ 5,6 bilhões à redução da alíquota de PIS/Cofins, estima o instituto.


Para realizar o cálculo, o Inesc considera o diferencial entre as alíquotas de PIS/Cofins e Cide efetivamente aplicadas à gasolina e ao óleo diesel naquele ano e os percentuais permitidos na legislação tributária.


"Os impostos federais têm sido, ao longo de vários anos, sistematicamente alterados para que o governo, de uma forma artificial, manipule o preço dos combustíveis", afirma Alessandra Cardoso, assessora política do Inesc e uma das autoras do estudo.


"Na última greve dos caminhoneiros, em função da negociação com a categoria, o governo já havia reduzido PIS/Cofins, já havia zerado a Cide, e isso trouxe um impacto muito significativo aos cofres públicos", diz Cardoso. "E, embora o governo tenha dito que adotaria medidas para compensar essa perda, como diz agora novamente, isso não aconteceu como deveria."


Para a analista, uma nova perda de arrecadação no momento atual não seria trivial, diante do contexto de crise fiscal e da demanda de recursos para o enfrentamento da pandemia.

"Além disso, é uma medida que vai na contramão de um compromisso que o governo assumiu no G-20 e que faz parte do esforço dos países que compõem a OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico) — e o Brasil está tentando entrar para esse grupo —, que é monitorar e reformar os subsídios aos combustíveis fósseis."


Apesar de o Inesc considerar esses impostos que o governo federal deixa de arrecadar como uma forma de subsídio, esse não é o entendimento da Receita Federal.


Reforma tributária verde

A porta-voz critica ainda o fato dessa medida ser considerada de forma isolada, para atender a uma demanda dos caminhoneiros, num momento em que o país discute uma reforma tributária ampla.


Marcel Martin, coordenador do portfólio de transportes do Instituto Clima e Sociedade, lembra que a pandemia tem levado diversos países desenvolvidos a elaborarem planos para uma "retomada verde".


"É muito estranho estarmos falando em incentivar o uso do diesel, num cenário global em que todos os países estão incentivando a descarbonização dos transportes", diz Martin.


"Estamos andando na contramão, pois os países, por conta da covid-19, têm investido numa retomada verde, que passa pelo incentivo a combustíveis mais sustentáveis e pelo estímulo à eletrificação, uma solução que zera emissões e olha para o futuro."


Tanto para o especialista do Instituto Clima e Sociedade quanto para o porta-voz do Greenpeace, além de adotar medidas para endereçar a questão de preços dos combustíveis no curto prazo, o governo deveria estar trabalhando em soluções de longo prazo.


"Com certeza, o país deveria voltar a investir em transporte ferroviário e pensar no transporte fluvial, o que exigiria olhar para os rios de uma forma diferente, aumentando a proteção das nossas águas", diz Martins, do Greenpeace.


"Além disso, seria necessária uma mudança logística, para reduzir as grandes distâncias realizadas pelos caminhões. Garantir polos de distribuição mais eficientes e mais capilarizados", sugere o ambientalista.


"É preciso ter um planejamento de futuro, porque, do contrário, ano que vem vamos ter o mesmo problema e daqui a dois anos vamos ter o mesmo problema", diz Martin, do Instituto Clima e Sociedade.


"Se não investirmos na descarbonização, esses problemas vão bater à porta todos os anos. Quando tratamos de transporte cargas, não podemos apostar todas as fichas em uma única solução. Depender de caminhão para fazer todo o nosso transporte não é viável. Já teve a greve dos caminhoneiros, a crise lá atrás no Porto de Santos. Já entendemos que qualquer país de grandes proporções precisa investir em ferrovias, isso é inevitável.



Fonte: BBC Brasil

7 visualizações0 comentário