Buscar
  • Ecoflex Trading

Alta do petróleo impulsiona valorização nas cotações do açúcar em todo o mundo


As tensões entre a Rússia e a Ucrânia impulsionaram as cotações dos preços da energia ontem (22) em todo o mundo fazendo com que, por exemplo, o petróleo atingisse seu maior patamar desde 2014, o que puxou as cotações do açúcar em todas as bolsas internacionais. Com o petróleo em alta as usinas tendem a produzir mais etanol, o que diminui a oferta de cana-de-açúcar para a produção do adoçante. Nesta terça-feira, em Nova York, na ICE Future, o açúcar bruto, no vencimento março/22 foi contratado a 18,48 centavos de dólar por libra-peso, valorização de 28 pontos no comparativo com os preços praticados na segunda-feira. Já a tela maio/22 subiu 27 pontos, negociada a 17,89 cts/lb. Os demais contratos subiram entre 7 e 19 pontos. A Reuters trouxe em sua análise diária a cerca dos preços das commidities em todo o mundo uma fala do analista Claudiu Covrig, "todos os preços de commodities poderiam ser suportados (como ativos seguros e tangíveis para manter)". Açúcar branco Em Londres a terça-feira também foi de alta nas cotações do açúcar branco da ICE Future Europe. O vencimento maio/22 foi contratado a US$ 494,30 a tonelada, valorização de 1,7%, ou 8,20 dólares, no comparativo com os preços da véspera. Já a tela agosto/22 subiu 5,10 dólares, negociada a US$ 484,40 a tonelada. As demais telas subiram entre 70 cents e 3,70 dólares, com exceção das telas agosto e outubro/23, que depreciaram 1,30 e 4,50 dólares, respectivamente. Açúcar cristal No mercado interno a terça-feira foi marcada por baixa nas cotações do açúcar cristal medidas pelo Indicador Cepea/Esalq, da USP. A saca de 50 quilos foi negociada ontem a R$ 142,39 contra R$ 144,79 a saca praticada na segunda-feira, desvalorização de 1,66% no comparativo. No mês o indicador acumula baixa de 3,16%. Etanol hidratado Pelo terceiro dia seguido o Indicador Diário Paulínia para o etanol hidratado registrou desvalorização. Ontem, o biocombustível foi negociado a R$ 2.923,50 o m³, contra R$ 2.930,00 o m³ praticado na segunda-feira, queda de 0,22% no comparativo.

Rogerio Mian Fonte: Agência UDOP de Notícias

9 visualizações0 comentário