Buscar
  • Fonte: Jornal Cana

Brasil quer que a Índia intensifique a produção de etanol para ‘equilibrar’ o mercado mundial de açú


Isso reduziria a produção indiana do adoçante em 4 milhões de toneladas.

“A Índia deve implementar um programa de biocombustível mais ambicioso para ajudar suas usinas a aumentar a produção de etanol e equilibrar o mercado mundial de açúcar”, afirmou Eduardo Leão de Sousa, diretor executivo da União da Industria de Cana-de-Açúcar (UNICA) em entrevista ao The Indian Express.

Atualmente, a mistura média de etanol na gasolina vendida na Índia é de apenas 6% e deverá chegar a 10% em 2022. “Isso reduziria a produção de açúcar naquele país em 4 milhões de toneladas, o que representa o excedente do adoçante no mercado global hoje”, disse Sousa, comentando que, no ano passado, ao produzir mais etanol, o Brasil retirou 10 milhões de toneladas do adoçante do mercado mundial, o que ajudou o setor a não entrar em colapso.

Na última safra, as unidades brasileiras moeram 642,7 milhões de toneladas de cana-de-açúcar, sendo que apenas 35% da matéria-prima foi direcionada à produção de açúcar, que chegou a 29,6 milhões. Já a produção de etanol, originada de 65% da cana processada, totalizou 35,6 bilhões de litros.

As usinas indianas, por outro lado, moeram 301,18 milhões de toneladas de cana para produzir 33,16 toneladas de açúcar e apenas 1,886 bilhão de litros de etanol na safra 2018/19. Para a atual temporada 2019 /20, estima-se que o suprimento de açúcar e etanol seja de aproximadamente 27 milhões de toneladas e 1,9 bilhão de litros, respectivamente.

No Brasil, a mistura média de etanol na gasolina é de cerca de 48%. Isso foi alcançado através de uma política de mistura obrigatória, não permitindo a venda de gasolina com menos de 27% de etanol e impostos especiais de carbono sobre a gasolina, tornando atraente a mistura de etanol, isento de tal taxa.

“Todos os 40.000 postos de combustível no Brasil vendem gasolina com 27% de mistura de etanol (E27) ou etanol puro (E100). A maioria dos nossos carros são veículos flex, rodando tanto no E27 quanto no E100 (o imposto sobre o componente gasolina torna o último mais barato às vezes). Mesmo no diesel, temos 12% de mistura de etanol”, explicou Sousa.

Um programa similar para mistura de etanol na Índia poderá beneficiar o País em quatro pontos:

O primeiro é que reduzirá a conta de importação de petróleo da Índia. “Sua dependência de importação de petróleo é de 80% no momento, o que também tínhamos até os anos setenta. Mas no ano passado, 48% da nossa gasolina foi substituída por etanol. O uso do E27 e E100 nos permitiu evitar um consumo adicional de gasolina de quase 310 bilhões de litros nos últimos 20 anos. Se esse volume tivesse sido importado, teria custado US $ 168 bilhões em termos reais”, destacou o diretor.

O segundo ponto é que a Índia é o quarto maior emissor mundial de gases de efeito estufa, depois da China, EUA e União Europeia e o etanol pode reduzir as emissões de dióxido de carbono em até 90% em comparação com a gasolina.

O terceiro ponto é que pode melhorar a qualidade do ar nas cidades assim como aconteceu em São Paulo, onde a poluição do ar caiu pela metade nos últimos 20 anos, apesar de sua frota de carros ter aumentado mais de 80%. “Com 30 microgramas por metro cúbico, o material particulado médio da cidade é um décimo do de Delhi. A principal razão para isso é o uso de biocombustível”, afirmou Sousa.

O quarto benefício é que reduzirá a produção de açúcar e sustentará os preços globais. “O etanol reduz o risco para todos, incluindo seus 50 milhões de produtores de cana. Queremos que a Índia adote a mistura obrigatória, o que daria às suas usinas a flexibilidade de produzir mais etanol como a nossa indústria e equilibrar o mercado mundial de açúcar. Grandes produtores de cana como a Índia também ajudarão a criar um mercado global para o etanol e torná-lo um produto comercializado internacionalmente como petróleo, soja ou açúcar”, acrescentou.

No entanto, a queda nos preços globais do petróleo – o petróleo Brent caiu de US $ 66 para US $ 36 por barril este ano, enquanto negociava abaixo de US $ 20 há um mês – significa que mesmo as usinas brasileiras podem desviar apenas 55% de seus prováveis 650 milhões de cana que sejam esmagados em 2020/21 por etanol.

Como resultado, a produção brasileira de açúcar, que caiu de 38,6 milhões em 2017/18 para 29 milhões e 29,6 milhões de toneladas nas duas safras seguintes, deverá subir novamente para 37,5 a 38,5 milhões de toneladas. A produção de etanol a partir da cana é estimada em apenas cerca de 30 bilhões de litros em 2020 /21, contra 35,6 bilhões, 33,1 bilhões e 27,9 bilhões de litros nas três temporadas anteriores.

“Estamos confortáveis ​​produzindo mais etanol quando o petróleo está em US$ 60 por barril. Este ano, nosso mix de açúcar pode subir de 35% para 45%”, admitiu o diretor da UNICA. A maior produção prevista do Brasil, por sua vez, levou os preços do açúcar bruto em Nova York a uma queda de 12-1 / 2 anos, de 9,34 centavos de dólar por libra-peso em 28 de abril, antes de se recuperar para pouco mais de 11 centavos agora. E isso também prejudicou as perspectivas de exportação indianas.


0 visualização